Quarta-feira, 30 de Agosto de 2006

Mar dos Açores




Fui à ilha do Pico, estimado amigo.
À festa dos Baleeiros fui tocar.
Inesquecível!
No mar grande dos Açores mergulhei de cabeça.
De ti floresta não me esqueci.
Por isso trago-te o mar. Ele sabe de ti.
Povo orgulhoso este, feito de magma ainda quente.
Tal como em Mortágua, lá estavam os jovens músicos
e as suas preocupações no futuro próximo.
Aqui nos Açores, existe uma catrefada de filarmónicas.
Uma tradição que persiste e insiste, inda bem!
Vamos continuar pelos mares da petição.
Valemos muito.
Somos importantes.
Nós.
Os cidadãos.
publicado por João Gil às 01:48
link do post | favorito
Quinta-feira, 24 de Agosto de 2006

Petiçao- 5.000

São necessárias 5.000 assinaturas
para que o assunto seja apreciado
pelos deputados da República.
Tudo bem, são as regras.
Podemos não chegar lá, é certo.
Trinta mil obstáculos se levantam... o costume.
São imensas as razões:
- É inconstitucional!
- Havia outras formas de pôr a questão.
- Tens de ser mais explícito.
- E os danos colaterais?
- E a minha liberdade?
- E se eu, vítima e dono do terreno, se o quiser vender?
- Pensa bem, podias modificar...
- Dez anos, francamente, mais que suficiente.

Ouvi... ouvi... ouvi...
Pensei:
- Caramba!
- Eu não governo. Eles não fazem música.
Tudo, tudo, tudo, tudo é motivo para nunca fazer nada.




Perguntei à floresta... escutei o que ela dizia de volta... e,

Ela precisa de nós!
publicado por João Gil às 00:39
link do post | favorito
Terça-feira, 22 de Agosto de 2006

Petiçao

Obviamente que o governo em gestão, terá de encontrar
as soluções devidas e justas.
Esta petição copia o bom exemplo Françês, que se veio a revelar com sucesso.
Discutimos estes assuntos de boca calada à boa maneira Portuguesa.
As imagens sucedem-se nos telejornais e perante a banalização do desgosto alheio, enquistamos a nossa indiferênça.
Decidi fazer um texto simples e directo, e não iniciar uma conversa já esfriada e gasta.
Queremos apenas descartar e despistar uma das possiveis causas de tanto fogo posto.
Um Abraço deste que tanto vos quer.
publicado por João Gil às 11:44
link do post | favorito
Sexta-feira, 18 de Agosto de 2006

Petição

Acreditando ser esta uma das soluções para o fim do flagelo, vimos por este meio pedir ao Sr. Primeiro-Ministro e ao Sr. Presidente da República a proibição imediata da comercialização dos terrenos ardidos, por um período nunca inferior a trinta anos.

Os signatários
.


Assine aqui a petição
(http://www.petitiononline.com/fiminc/petition.html)
publicado por Baggio às 16:49
link do post | favorito
Quarta-feira, 16 de Agosto de 2006

A estrada




Filarmónica Gil:
publicado por João Gil às 19:49
link do post | favorito

Mortagua





Esta terra de Mortágua tem que se lhe diga.
Tem as suas festas naqueles dias de Agosto
em que chove abundantemente,
seja para levar finalmente os bombeiros à cama,
ou para inundar as casas de cheiros de terra africana... molhada... sensual... imagino.

Mortágua tem gente muito curiosa,
muitos jovens músicos, abertos e disponíveis
para as novas correntes,
escoteiros amáveis, prestáveis e sorridentes,
escolas de cães destinados a serem guias de invisuais,
emocionante pela dedicação de
pessoas tão delicadas e gentis.

Sentido acolhimento, deixei-me levar de conversa em conversa,
Cruzando olhares com toda a gente, de espumante em punho,

Esta Filarmónica de que faço parte, tem muita sorte.
Foi assim em Ansião, na Batalha, na Amora e será
amanhã no casino, depois em S. Martinho, em Penafiel,
por aí fora até Elvas no final do mês.

Tenho muita sorte estimado amigo.

publicado por João Gil às 17:46
link do post | favorito
Terça-feira, 15 de Agosto de 2006

Os livros tambem ardem

Há muito que não me ria tanto.
Refiro-me, caríssimo amigo,
ao personagem Mateus Colombo,
que habita e vive no livro “ O anatomista”
Mateus, que ao descobrir a sua América
no corpo de uma mulher, se arrisca por tal,
a arder numa fogueira de lenha verde,
isto claro, para a combustão ser tão lenta quanto a agonia.

Antes passei pelo ajuste de contas de dois amigos,
que não se encontravam por razões que só lendo,
numa combustão também lenta de “ As velas ardem até ao fim”
Que gente esta que salta na frigideira das palavras...

Agora estou a entrar na biblioteca dos livros esquecidos,
pela mão do pai de uma criança que já tem idade...
“ A sombra do vento “ dá por título, o que não ajuda nada
no combate aos incêndios.

Por isso, meu querido amigo,
ando jiboiando pelas letras,
tentando resistir ao desgosto pós parto
do abandono provocado
quando se chega ao fim de um livro.

Nesta secura toda
Os livros também ardem
publicado por João Gil às 15:58
link do post | favorito
Sexta-feira, 11 de Agosto de 2006

Democracia

De peixe espada à cinta,
é como me sinto
assim desasado e sem jeito
de águia a contrapeito...

Digam-me lampiões e adjacentes
incluindo o Belenenses
Qual a razão?
De tão desajeitado anúncio
em que o Benfica é gozado pelo
próprio de si mesmo... sim, qual a razão?
Perante um irritante em crescendo de irritação que diz:
Ninguém pára o Benfica...
Responde o anunciante enjoado e incomodado:
- já paravas...

Eu pergunto
Hum hum...

Somos como a América?
Permitimos tudo dentro de nós ao ponto da cauda escorpião?

Somos mesmo uma nação...

Democrática
publicado por João Gil às 01:01
link do post | favorito
Terça-feira, 8 de Agosto de 2006

O beijo suspeito






Pois é
Assim que ti vi assim
Por impulsos díspares,
Nem pensei duas
Agi por ti
Agarrei-te cheia
Uivei o teu nome
Já se sabe
Sem antes te apanhar pelo dorso
Como é obvio
Gosto das tuas costas
Dos teus dois buraquinhos no fim das costas
Desse mistério infindável
Vou desafinar-te sem remédio nem cura
Como podes calcular
Confiar-te um segredo no pescoço
O teu pescoço
Ossatura dura
Dá-te nas minhas mãos
Abraço-te
Tu só queres um abraço
Sei disso
Ou um beijo suspeito

Grita-me!!
publicado por João Gil às 23:38
link do post | favorito

Mar de luz






É com a devida vénia que a ti me inclino, Meu Amigo.
Estarás bem?
Sobrevives bem a este caldo que amesquinha uma catrefada de gente?
De paparazzis convenientes da estação ridícula, que fotografam
perversamente a barriga de muita gente que do tamanho se ignorava?

Estava muito bem eu na cozedura do miolo,
quando me vi na 2, em repetição na “Revolta dos Pastéis”
a quem endereço daqui a minha vénia também.
Nunca gostei de me ouvir,
e muito menos de me observar.
Não avisava a família próxima de que ia aparecer...
Vergonha...

Mas, não deixo de constatar que a arrogância não faz falta nenhuma entre
todos nós músicos, produtores e afins.
A última coisa que nos faz falta é exactamente a bacoquice petulante.
Mas prontos!!!!

Entretanto decorre no “canalmaldito” uma conversa interessantíssima
a propósito do mesmo tema.

Eis que, estando muito bem numa esplanada, ouço da voz dum banhista compatriota,
algo parecido com:
- I donte laike pórtchuguise music.
- Dizia ele para um algo interessado estrangeiro.
-Mitu de ti, retorqui pensando...
Muito bem!
Está no seu direito.
Já não o digo o mesmo do publico português, sempre atencioso e atento.

Concluo que o assunto se arrasta na ordem do dia
em linguagens desusadas,
próprias desta época estúpida comó...

Talvez à procura de um mar de luz ao fundo do túnel.

Um abracinho sim??
publicado por João Gil às 20:59
link do post | favorito

mais sobre mim

Playlist da semana

Windows Media Player:
Listen to My Radio on MediaMaster.com ITunes:
Listen to My Radio on MediaMaster.com

arquivos

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

subscrever feeds