Terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

o bocejo









Quaaaaaaase.
Estás?

Ouve:
Diz lá muito rápido:

Ó vida das vidas que a vida minha me deu,
que até a vida das mais vividas vidas,
ensina a viver com tudo o que a vida me dá.


Isto tudo dentro de um bocejo.

Já viste?

Experimenta.


Mas...também tens a alternativa do meu bocejo cristão:

Ai Jesus Maria
Santíssima do
Sacramento do
Rosário de
Fátima...
Amén!

Este tem mais groove.

Escolhe.
publicado por João Gil às 22:48
link do post | favorito
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2006

7 beijos













Meu Querido Amigo:

A vida continua orgânica tal como nos foi dada a conhecer.

Uma bola parada

Um gesto provocatório

Um floco em Lisboa

Uma cidade recolhida

Uma criança salva

Uma boa notícia

Um café com vista

Um beijo de relance

Um olhar penetrante

Um frio de rachar

Um copo de vinho

Um mau resultado

Um cheiro de mar

Uma noite devida

Uma ideia feita

Um beijo
publicado por João Gil às 00:59
link do post | favorito
Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2006

Mozart

João:

Que bom festejar.
Fantasiar.
Tantos artigos e páginas de jornais e revistas.
Endeusar um jovem compositor.
Ainda bem.
Passaram 250 anos.
Mozart continua por aí.
Podia ser um milagre da passagem de Deus pela terra.
Mas, não figuram músicos nos altares.

Mozart.

A música revela-se!

Declara-se!

A luz .

A vida.

É possível viver nos intervalos da morte.

Eleva-te!

Vai!

Q.
publicado por João Gil às 14:20
link do post | favorito
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2006

O custo de vida


Andreas Gursky




Desculpa-me Quase,
nem era para te ligar, mas achas normal que uma conhecida marca
de hiper-mercado se vanglorie constantemente de,
ano após ano, conseguir baixar os preços,
suportando o aumento do IVA, aguentando tudo?

Pois eu digo-te qual o sub texto de tão subtil
publicidade generosa e caridosa:

Especularam tanto e tanto,
os preços eram de tal maneira elevados,
que agora se dão ao luxo de gozar com a situação.

Fica aqui registado, da minha parte,
a certeza de que o custo de vida em Portugal
podia não ser tão elevado.

Olha Quase, há coisas de que não me importo de saber,
apesar de as compreender na sua essência,
mas gozar com a nossa cara é um pouco demais.

Imagina que na minha retrosaria faço o mesmo?

Está certo!
publicado por João Gil às 22:52
link do post | favorito

Delicadamente a oriente

Estimado e delicado:

Como vão as coisas Quase?
Sei que ouves sem que te sintas obrigado a responder.
É tão difícil que alguém nos ouça... apenas.
Não! Não me queixo.
Quero apenas que saibas o quanto aprecio essa tua maneira de me ouvires, sem que venha daí uma interferência ou julgamento.
Confio-me a ti.

Lembrei-me de te falar dum comportamento exemplar,
que dificilmente, a não ser por pânico geral, terá espaço entre nós.
Se fores a Tóquio, verás que todas as pessoas que têm sinais de gripe ou constipações virais de estirpes variadas,
identificam-se e protegem os demais, usando máscaras brancas,
anulando ao máximo o contágio normal transmitido por via aérea.
Nas ruas, nos autocarros, no metro, nas empresas ou em casa,
as pessoas respeitam-se a esse ponto.

Achas que um dia faremos tal?
Entrarias num táxi, cujo condutor tivesse uma máscara sem que
concluísses que tu correrias algum perigo?

Aqui entre nós, o perigo anda sempre escondido e a céu aberto.

Espero que estejas bem.
Um abraço.



Araki
publicado por João Gil às 17:47
link do post | favorito
Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2006

O Presidente Sampaio

Grande Quase:

Vim só para te deixar um recado,
ao qual darás o melhor seguimento:

Diz ao ainda presidente Jorge Sampaio,
que o abraço com o barulho a condizer.

Que lhe agradeço o convite que nos fez juntar de novo
no pavilhão atlântico.

Que vamos ter saudades das suas lágrimas fáceis e generosas.
Que não esqueceremos nunca a expressão da sua alma enquanto cantávamos a Timor.

Que um bom Presidente é aquele que chora por ver o seu Povo a rir de sua alegria.


Que terá de todos nós o que muito merece:




A nossa admiração.
publicado por João Gil às 22:45
link do post | favorito

Dois homens e um destino

Estimado:
Já sabes de tudo não?
Estamos todos felizes por aqui.

A harmonia.
A retoma vem aí com o salvador.
Viva!
De que se queixam os Portugueses?
Vá, tudo a trabalhar e alegria nisso.
Isto agora é que é!

Ganhou o candidato que melhor acerta o seu relógio
pelas políticas deste governo desenhadas previamente na europa central.
Duvidas?

Eu, se fosse o Primeiro, não hesitaria em fazer o mais possível
Para por tudo em prática.
Já!

Será que a oposição já realizou que não falta nenhuma a partir de agora?
Um pouco exagerado...
A oportunidade para a grande unidade.
O bloco central domina agora em toda a linha.

Julgas que pratico o escárnio não é?
Conheço esse teu riso.
Fico no entanto um pouco curioso sobre o desenrolar
da nova novela que está a ser rodada na OTA.
Como vai acabar?
Quem foi o assassino?


Não desejo o mal de ninguém, e muito menos do povo a que pertenço.
Para o que der e vier sou um deles.

Um abraço!
publicado por João Gil às 14:21
link do post | favorito
Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2006

O peixe a cana e a sabedoria

Meu querido amigo Quase:
Nunca falámos de eleições,
nunca soube o teu sentido de voto.
Creio aliás que tu nunca votaste em Portugal,
estou errado?

Queria estar no teu lugar,
queria estar em todo o lado e em nenhum,
teria outro tipo de deveres, outro tipo de obrigações.
Não estaria preocupado com assuntos pontuais de cada país,
região, cidade ou clube de esquina.

Nunca teríamos esta necessidade comum, de comprar as coisas
de que necessitamos realmente para sobreviver, e termos de ganhar dinheiro para isso.
De termos de guerrear constantemente por afirmação de identidade ou valores éticos.

Quase:
Ajuda-nos!
Não tens de nos dar o peixe, a cana ou sua aprendizagem,
Dá-nos a compreensão,
Dá-nos a lucidez
Dá-nos a sabedoria

Ensina-nos!
publicado por João Gil às 19:06
link do post | favorito
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2006

Sou Angolano




Muito bem!

Julgo ter entendido Quase...
Mas que raio de coisa tu fazias em Lisboa naquele ano?
Donde vens tu?
Hei-de saber um dia.
Juro-te!

Antes de te enxovalhar na tua petulância Caravaggiana,
Dedico-te uma bela canção:
Linda é linda...
Desculpa!

Deixo-te dois contrastes que falam a mesma língua,
pode ser?

A piscadela de olhos que José Rodrigues dos Santos
decidiu implementar na informação mais credível de tão tão tão e mais tão, serviço público ser...
que por tal e tal e... mais tal, me apetece endossar para ele, o destino cúmplice da parte que me cabe nos meus impostos.
A chamada instituição do olho.

Por outro,
A comovente declaração de Pedro Mantorras, que não festejaria um golo marcado a Portugal.
Por ele e por muito, considero-me Angolano.

Agora sim Quase:

Vai-te esconder!
publicado por João Gil às 21:39
link do post | favorito

O mercador de Lisboa

Ouve João:
Não te vou responder à letra.
Tudo o que seja relativo à tua vida profissional,
e ao respectivo encaixe social,
será sempre uma descoberta que terás de fazer sózinho.
Pelo teu próprio pé.
Prefiro contar-te isto que se passou bem perto de mim:

Estaríamos aproximadamente no ano de 1510,
vejo um mercador de pêra e bigode, saindo apressadamente de uma casa,
uma rapariga de tez ruiva, gritando atrás dele cai desamparada.
Sem hesitar, parei o meu trânsito e ajudei a levantar aquela criatura de cabelos de fogo e olhos negros.
Beijei sua mão e deixei-a por ali, um pouco mais recomposta.
Iniciei o meu passeio pela orla ribeira, inspirado pela maresia robalina até que
dou de caras com o dito cavalheiro gritando para um Genovês,
que lhe pagaria mais pela mercadoria desejada por outro mais que viesse.
Entretanto chegou um Castelhano que exigia, com ganas, aquilo que acordara anteriormente com o Genovês.
O mercador inflectiu então num discurso inflamado, que jamais faria tal coisa a um colega.
Fosse ele cão.
Contribuí à cena com o sorriso mais generoso que me saiu ao momento.
Com meus áás continuei continuei continuei e... quando o sol há muito arrefecera,
entrei num dos muitos tascos do campo das cebolas, que nunca apreciei seja sincero
e lá estava o nosso homem, embezanado pelo vinho mais ácido até então, cantando mal, uma velha melodia que, segundo ele, teria ouvido de um cantor marinheiro vindo dos mares do norte:
-Ai lambiu beibi...
E nos intervalos de tão gemido desafinado, dizia ele para o tasqueiro que o olhava sem ser nos olhos:
Esta minha vida é um desenrascanço!

Suspirava...



Acredito João, que tu e os teus, descendem daquele mercador incansável no seu serviço.
Não te ofendas!
Às vezes lembro-me de Caravaggio,
como ele se ria desbragando as suas bandeiras.


Respeitosamente

Q.



Caravaggio, O sacrifício de Isaac
publicado por João Gil às 20:09
link do post | favorito

mais sobre mim

Playlist da semana

Windows Media Player:
Listen to My Radio on MediaMaster.com ITunes:
Listen to My Radio on MediaMaster.com

arquivos

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

subscrever feeds